Recorde de acesso em:
09/05/2011
é de 923
Total Visitas Únicas: 2.734.351
Visitas Únicas Hoje: 43
Usuários Online: 78
Sistema de Busca
Documento sem título

Newsletter Espacomaria
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Artigos









Visto: 890 - Impresso: 28 - Enviado: 16 - Salvo em Word: 6
Postado em: 15/09/09 às 07:04:58 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacomaria.com.br/?cat=8&id=655
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos

Nossa Senhora das Dores – 15 de setembro
Arquivado em: Nossa Senhora — Prof. Felipe Aquino at 2:49 pm on segunda-feira, setembro 14, 2009




Nossa Senhora das Dores recebe no colo o filho morto apenas tirado da cruz. Maria está de pé (stabat) aos pés da Cruz. É o momento culminante da Redenção.

Cristo sofreu a Paixão; Maria sofreu a com-paixão.



“Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa”. (Jo 19,25-27)



É junto à Cruz que a Mãe de Jesus crucificado torna-se a Mãe do Corpo místico de Cristo, a Igreja, nascido da Cruz. Nós somos nascidos enquanto cristãos, do mútuo amor sacrifical e sofredor de Jesus e Maria.



“Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições, a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações. E uma espada transpassará a tua alma”. (Lc 2, 34-35)



“Faça-se em mim segundo a tua palavra.”

Como mãe, Maria assume implicitamente os sofrimentos de Cristo, em cada momento de sua vida.

A Pietá de Michelangelo exprime toda a dor da Mãe.



As sete dores de Maria



A devoção, que precede esta celebração litúrgica, fixou simbolicamente as sete dores de Maria narrados pelo Evangelho:

1 - a profecia do velho Simeão;

2 - a fuga para o Egito,

3 - a perda de Jesus em Jerusalém;

4 - o caminho de Jesus para o Gólgata,

5 - a crucificação e morte de Jesus;

6 - a deposição da cruz;

7 - a sepultura.



O martírio de Maria é o martírio do Redentor.

Desde o século XV encontramos as primeiras celebrações litúrgicas sobre a compaixão de Maria aos pés da cruz, colocada no tempo da Paixão ou logo após as festividades pascais.



Em 1667 a Ordem dos Servitas, inteiramente dedicada à devoção de Nossa Senhora (os sete santos Fundadores no século XIII tinham instituído a “Companhia de Maria Dolorosa”) obteve a aprovação de celebração litúrgica das sete Dores da Virgem, que durante o pontificado de Pio VII foi acolhida no calendário romano e lembrada no terceiro domingo de setembro.



Pio X fixou a data definitiva de 15 de setembro, conservada no novo calendário litúrgico, que mudou o título da festa para uma “memória”: não mais Sete Dores de Maria, mas Virgem Maria Dolorosa.



Prof.Felipe Aquino



       





Postado por: James - www.espacomaria.com.br em: 15/09/09 às 07:04:58 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacomaria.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES